sexta-feira, setembro 25, 2015

INVASÃO DA EUROPA 3


 Envio mais uma reflexão sobre o mesmo assunto... 
Um abraço. 
Virgílio do Vale
"INVASÃO DA EUROPA  3

Na crónica anterior formulava algumas perguntas que deixei sem resposta porque, seguramente, não há argumentos para dizer uma coisa ou o seu contrário. Uma delas é saber quem custeia a enorme despesa que a transumância dessas multidões acarreta. De uma forma simplista, poderemos dizer que são as autoridades de países ricos com o petróleo que nós importamos e pagamos. Aliás são eles também que suportam enormes investimentos na propagação do islamismo em todo o ocidente, com a construção de mesquitas e despesas afins. Uma coisa é certa  -  os “passadores” de viagens mediterrânicas não trabalham sem objetivos financeiros e fazem-se cobrar com importâncias substantivas. Por outro lado, sabe-se que algumas pessoas têm posses financeiras, mas a maioria não tem.
A Europa está cercada por essa horda sem freio e, pior que isso, a União Europeia está tolhida pelos seus próprios medos de enfrentar e resolver o enorme problema que se lhe depara. E, perante ele, poderemos perguntar qual a melhor solução para lhe pôr fim. Parece-me que o ideal seria parar os conflitos regionais que provocam a debandada, principalmente na Síria, no Iraque e no Afeganistão. Mas isso só pela força e não será aconselhável envolver forças europeias nesses conflitos. Só através de apoios logísticos e armamentos em grandes quantidades, de modo a tornar superior a força daqueles que se opõem a todos quantos estão a ser causadores desses conflitos, mais concretamente os “gihadistas” e talibãs. Nesse sentido, parece que a Arábia Saudita, a Jordânia e o Irão seriam os mais indicados para enfrentarem  e resolverem o grave problema existente. Mas não creio que tal aconteça porque preferem assistir comodamente ao drama de países terceiros que enfrentam tremendas dificuldades com o acolhimento de tantos milhares de foragidos. Também seria oportuno que os Estados Unidos assumissem as suas responsabilidades pois foram os americanos que destruíram o equilíbrio de forças existente no Médio Oriente aquando do ataque ao Iraque com a subsequente derrota e morte de Sadan Hussein.
O que é certo é que esta debandada infrene e contínua não poderá perdurar por muito mais tempo, sob pena de a Europa rebentar pelas costuras e ter de declarar guerra aos intrusos ou tomar medidas de rejeição com o fechamento de todas as fronteiras terrestres e marítimas. Só assim poderá acautelar o mínimo de vida digna para os Europeus e todos aqueles que, entretanto, conseguiram ser aceites em pátrias seguras.
E, se isso acontecer, cai por terra o princípio norteador das políticas europeias nos tempos posteriores à 2ª guerra Mundial e que se traduz no profundo respeito e defesa dos Direitos Humanos. E essa será uma derrota irreparável para toda a Humanidade."
Virgílio do Vale

Mais uma vez somos alertados pelo nosso Virgílio para o problema  complexo da Europa face aos Refugiados. Vale a pena ser lido este texto, pois, além de diagnosticar soluções, mostra a etiologia do processo invasivo. Parabéns, Virgílio!